quarta-feira, 16 de junho de 2010

Na busca de acordar de sonhos intranqüilos*


Ninguém chega a resoluções definitivas. A água parada guarda o cheiro do que ainda nem se pensou. São baterias de exames que demoram a resultar na paz esperada por aqueles que só aprenderam a amá-lo. Sentimento que não poderia ser outro já que o ser que o inspira é dotado da mais branda ternura, da mais ampla bondade.

Sábio que pouco fala. Silêncio que guarda constante doçura, que de tão doce ficou impossibilitado de se alimentar com açúcar. Rês, mato, cancela, chuva e sol, tudo junto para dar ritmo a uma vida embalada pela presença constante da flor.

Pai de muitos e um amor igual, seja para o menor quanto para o mais velho. De sentimentos intensos, mas poucos divulgados. Ama a música, os livros, os bichos e quando o mundo escurece se preparando para a trovoada. E quase ri quando acorda e avista ruas e esquinas com rastro d’água.

É puro como criança, embora sempre tenha sido senhor de suas decisões. É com essa verdade que conduz sua caminhada. É assim que ao longo de seus 84 anos ainda imprime o ritmo de quem o tem como um homem que não cabe na imensidão.

_________________________________________

*Título inspirado no disco “Certa Manhã Acordei de Sonhos Intranquilos” do cantor e compositor Otto, assim como, na obra “A Metamorfose”, de Franz Kafka.

2 comentários:

mattkane disse...

Que lindo! gostei muito. E esse disco do Otto ficou sensacional!

Tenho uma avó assim, como o senhor do texto. Não tem diabetes, mas já teve outras doenças, inclusive câncer. É uma velhinha forte, que vai superando tudo com uma cara que quem não a conhece acha que não tem forças. Mas é a pessoa mais forte que eu conheço. Toneladas mais forte do que eu.

Como o seu (estou imaginando que é um avô seu), mesmo calada e disfarçadamente, toda a vida da família gira em torno dela. É lindo. Me faz lembrar aquela genial matriarca de "Cem anos de solidão", do Gabriel Garcia Marquez.

E o seu texto é lindo porque aflora todos esses sentimentos e lembranças em mim!

Obrigado, Maria Karina!

Teatro do Caos disse...

Legal o blog...