sexta-feira, 5 de junho de 2009

Inventando para não observar-se



Era da Baía. Cursinhos para direito e bolsas que guardavam celulares de última geração. Era assim: madeira, luxo e chá. Não era vulgar, nem tampouco obstinada: temia de medo. Preferia as coisas simples e dramáticas, talvez pelo medo constante de errar e de parecer anêmica. Tudo caminhava num passo só, mas o mundo que lhe era conveniente quis pela primeira-frágil vez gritar. Não amava, mas carregava, sempre, o rapaz de olhos puxados ao seu lado, diziam que era para que ela não enxergasse os acasos do mundo. Mas, pouco adiantou. O astro desta vez urrou. Agora sim, ela se voltou para ouvir. Mas, para ela, o brado era tão ensurdecedor que ela deu de ombros. Seguira. E que ironia, o rapaz que sempre dizia sim, e que ao anoitecer colhia as estrelas, fugiu.

Lágrima, lamento e fome. Sem nada entender, resolveu como de costume se esconder. E a partir daí voltou à cidade de sua mãe, que mais parecia madrasta. Debruçou-se e prometeu ao mundo ser aguda e eloquente. O novo neste momento lhe apetecia. Mas, às escondidas chorava o amargo do inventado amor. Afinal, ela não o amava. Dissimulava-o para si. Às pressas inventou um púbere amor. E foi todo valsa. De noite, paredes com cal e rodas de viola, afinal, ele era um exímio tocador. Ela julgava amar mais que outrora, já que o violeiro fazia suas desafinadas cordas anatômicas tremerem. E agora era toda: sexo, atitude e excitação. É isso mesmo, ela de cá sentia suas costas largas em rebuliço.

Alegrias diurnas? Esqueça. O rapaz não se parecia com o anterior. Já nascera economizando gestos e com muita intimidade com o silêncio. Amava, era fato. Mas era só. O sentimento que brotava em peito puro e com gestos simples não o diminuía. Ao contrário, lhe impulsionava para mais. E assim, voltava o receio dela. Medo de perder, de ser comprada, de ser confundida. Corria de medo. Parava, queria voltar, mas não era confortável. Ele não lhe trazia o impossível. Tudo nele era real. Os desejos eram satisfeitos. A vida, mesmo intolerável, era sorvida em gramas, com ou sem pudor, com ou sem etiqueta. Ele estava pronto. Ela ainda não.

Em dois dias ela resolveu tudo, como numa equação matemática. Abraçou novo corpo. Selaram as mãos e ponto. Um novo casal se formou. Ele, duro como baraúna (madeira dura que nem ferro), esboçou uma reação: chorou. Pouco adiantou, ela já estava preterida. O fácil já estava lá, não havia motivos para padecer. O inesperado não lhe é de bom grado, tanto que não namora a idéia de correr o sagrado risco do acaso, gosta das coisas milimetricamente traçadas. E o novo dança neste compasso. Parece que vai ser sempre assim. Esquentando no calor e tremendo no frio. Quem dera um dia pudesse dar uma forma ao que não existe, ter a coragem de usar seu coração desamparado, ou mesmo, sair nua na chuva, sem temores e sem medo de se arranhar. Pois só assim conseguiria, tecer sonhos e pintar de preto-e-branco o dia já inventado.


Maria Karina

3 comentários:

Saliha Rachid disse...

Lindo texto!
Adorei.
Bjosss

Raquel Galvão disse...

lindo! já é meu preferido!

Lívia disse...

Entras em minha alma.
Lindo...